Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56132 )
Cartas ( 21113)
Contos (12445)
Cordel (9802)
Crônicas (21707)
Discursos (3120)
Ensaios - (9953)
Erótico (13192)
Frases (41226)
Humor (17643)
Infantil (3599)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136703)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4462)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->I Vila Mimosa -- 04/04/2018 - 19:56 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
As coisas mais simples tornavam-se-lhe perturbadoras e o faziam sentir-se moralmente fracassado, uma simples  tentativa frustrada de intimidade com a mulher, ele julgava uma afronta ao brio de sua masculinidade. Ela deve ter outro homem — dizia Yuri.  E procurava refúgio em amores clandestinos com mulheres da  Vila Mimosa.  A VM assim chamada aquela vila de prostíbulos é o lado feio da  Cidade Maravilhosa. E  tornou-se conhecida até no exterior — graça ou por desgraça da mania  que tem o brasileiro de expor suas mazelas, enquanto outros países escondem as suas. Por sorte, ou azar, nem tudo que é mostrado na TV é visto. E por isso, Morgana e Ravenala não  viram as imagens feitas  da Vila Mimosa. Nem sabiam que a ex-colega do Marista se tornara prostituta de bordel. 

Prostitutas  não confiam nem na própria sombra e nem podem. Muitas são as cicatrizes que trazem no corpo e na alma. Não têm histórias escritas em livros e aqueles que escrevem sobre elas, são gigolôs das letras. São  traídas, ferem e são feridas. Defendem um relacionamento que não querem ter, mas precisam. Não precisam de homem, precisam do dinheiro dele e do relacionamento que disputam com outras putas: um amor que não recebem e nem dão. Tudo é negócio, a vida, um ócio, monotonia de esperar no apagar da luz, que brilhe sua estrela. Fingem. Apenas fingem que gostam e em paga, recebem dinheiro e fingimento.

Aqueles a quem chamam de meu homem.  Não são seus, pertencem às esposas que os maridos deixaram em  casa. Nada fica nada sobra na vida da  prostituta, nada além do palavroso queimando como fogo a vida chula que levam. E quando envelhece, dorme na rua inalando a creolina que os proprietários derramam sobre as calçadas, para não serem incomodados com a visita noturna dos moradores de rua. É assim no Rio de Janeiro e em muitas cidades pelo Brasil afora.
***
Adalberto Lima, trecho de "Estrada sem fim..."
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 04/04/2018
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 32 vezesFale com o autor