Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55811 )
Cartas ( 21100)
Contos (12361)
Cordel (9728)
Crônicas (21554)
Discursos (3119)
Ensaios - (9940)
Erótico (13166)
Frases (40886)
Humor (17604)
Infantil (3595)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5433)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136373)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1045)
Teses / Monologos (2378)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4393)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O cão do Padre Bidião -- 05/04/2018 - 12:25 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O cão do Padre Bidião


Sem raça definida, assim vivia Passaquatro, um velho amigo do Padre que lhe assistia às celebrações da igreja. Era o despertador do Padre Bidião e o acordava cedo, pois o sacerdote ficava até altas horas estudando a Bíblia intergaláctica que revelava os mistérios da via láctea. E, como em breve, desejava instalar-se em Marte, ficava então até a madrugada estudando. Passaquatro, era um cão de rua que havia simpatizado com a cara do vigário, pois quando estava perdido, com fome e solitário na rua, Bidião numa de suas pedaladas, o avistou e teve empatia pelo animal. Buscou comida e água e deu-lhe. O animal então, adotou o sacerdote como tutor e jurou-lhe eterna amizade. Desde então, Passaquatro vem sendo o coroinha do Padre. Até que uma dia, Bidião presenciou uma cena lamentável na rua o qual gerou-lhe uma fúria que, teve que gerenciar por se tratar de um pároco numa cidade do qual deveria ser exemplo. Com toda a paciência, respirou fundo e foi até o local onde um cidadão insultava uma senhora(acreditava-se ser o esposo, pelo grau de intimidade com que a ela se referia) para enfim, apaziguar o ânimo exaltado daquele senhor. Entretanto, Passaquatro já havia visto ao longe a discussão e correu feito um lobo para abocanhar a canela do agressor. Ao morder a calça do homem, Passaquatro, fincou os dentes tão profundamente que nem o giro de 360 graus proporcionado pelo membro abocanhado conseguiu aoltá-lo. Bidião, embora sendo vigário ilustre da cidade, apaziguou seu coração ao mesmo tempo em que sentiu de certa forma justiçado pela “docilidade” do seu cão. Aproveitou o momento de contenção do agressor e telefonou para o delegado que veio em seguida e encaminhou o agente agressor para a delegacia.
Satisfeito e orgulhoso do seu cão, Padre Bidião abençoou novamente e consagrou Passaquatro ao Santo Padroeiro da cidade. Até o prefeito veio parabenizar o animal e o condecorou como o guardião da ordem comunitária.


Graças e louvores se dêem a todo o momento,

Ao santíssimo e diviníssimo cão do Padre Bidião !
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui