Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
126 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56217 )
Cartas ( 21113)
Contos (12458)
Cordel (9812)
Crônicas (21735)
Discursos (3121)
Ensaios - (9960)
Erótico (13193)
Frases (41292)
Humor (17654)
Infantil (3600)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136754)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1915)
Textos Religiosos/Sermões (4467)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Um Poema Meu Virou Coreografia de Dança -- 10/04/2018 - 17:13 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Um Poema Meu Virou Coreografia de Dança
Em 2003 escrevi o rascunho de um poema onde eu falava sobre os mistérios das posições dos leques. Porém, guardei na gaveta.
Em 2009 resolvi fazer aulas de Dança Cigana porque uma fisioterapeuta falou que assim meus problemas de coordenação motora desapareciam aos poucos.
Em 2010 corrigi o poema, sobre as posições dos leques e postei o texto, no site Usina de Letras, com o título: Abanico e Suas Posições.
Então mandei o poema para Cecília Vela, minha professora de Dança da época. Assim ela teve a ideia de montar uma coreografia baseada no texto. Mas para isto alguns cortes foram feitos no poema original que era este:
Abanicos e Suas Posições

Quando a cigana pega o abanico...
Tudo ao seu redor fica mais rico!
Pois o abanico limpa e purifica...
A atmosfera para quem fica!

Quando o leque está aberto...
É sinal de espontânea alegria...
Na cigana de espírito correto,
Do acampamento da harmonia!

Quando o abanico está fechado...
Significa seriedade e tristeza...
Apesar do clima acinzentado...
A cigana nunca perde a beleza!

Quando a cigana pega o leque,
Deseja purificar o ambiente!
Espantando o mau moleque...
De uma maneira diferente!

Se ela toca o abanico aberto...
Com as pontas dos dedos...
O cavalheiro tem que ficar esperto...
Pois ela quer um encontro sem medo!

Quando ela apóia o leque do lado direito...
Não significa algo péssimo e ruim...
Pois quer dizer algo perfeito...
Porque sua resposta é sim!

Quando ela toca o cabelo ondulado...
Com o abanico, totalmente, fechado...
Ela não deseja ser esquecida...
Apesar da paixão adormecida!

Quando o leque está fechado...
Sob a delicada mão direita...
É porque ela quer um namorado...
Com alma pura e perfeita!

Quando o coração recebe o abanico...
Significa dor e muito sofrimento...
Por causa de um amor partido,
Que causou-lhe muito tormento!

Esconder os olhos com louvor...
Atrás de um leque aberto...
È uma real declaração de amor...
De um delírio concreto!

Quando a cigana pega o abanico...
Tudo ao seu redor fica mais rico!
Pois o abanico limpa e purifica...
A atmosfera para quem fica.
Luciana do Rocio Mallon

Com as modificações a coreografia e o poema ficaram assim:
https://www.youtube.com/watch?v=4yVhHPiYzp4&t=0s&list=PLWy0o60uHTE5A-lh824fKQKbAXrW29T7a&index=1
Luciana do Rocio Mallon

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui