Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55810 )
Cartas ( 21100)
Contos (12354)
Cordel (9728)
Crônicas (21553)
Discursos (3119)
Ensaios - (9940)
Erótico (13166)
Frases (40884)
Humor (17604)
Infantil (3595)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5433)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136373)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1045)
Teses / Monologos (2377)
Textos Jurídicos (1911)
Textos Religiosos/Sermões (4392)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Quando morre uma boneca... -- 16/04/2018 - 17:31 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Houve um estrondo como o ribombar de mil trovões, e o Anjo Negro cobriu  a terra com sua sentença de morte: “Tudo está perdido. Apagado. A  Verdade e princípio de fé; tudo está morto. Deus está morto.” Ouviu ainda  o tropel de muitos cavalos, e o tinir de espadas da corte celeste em luta contra as forças do mal. Acordou. Seu semblante pálido revelava medo. Emília estava fria.
— Por onde andaste em teus sonhos?
— No paraíso perdido.
— Encontraste o fantasma da ópera?
— Quase isso.
— Então conta que mundo é este que habita teus sonhos!
— Nunca  viste uma boneca descartada porque tem algum defeito? Vi uma muito ferida. Tinha  chagas ainda abertas por mordidas do lobo. Devia sentir dor e solidão. Disse ser uma ovelha abandonada pelo rebanho, mas foi ela que se desgarrou. E já não sabia mais como encontrar o caminho de volta.  Ovelha nunca deve abandonar o  rebanho! Sozinha, torna-se  presa fácil. 
— Há muitas ovelhas enfermas. Incautas, elas mergulham na escuridão e caem em profundo abismo. Gritam e seus gritos não ultrapassam a barreira dos muros abissais. 
Emília tinha  a voz arrastada.
— Vovó, vovó!...
— Que houve, minha filha?
— Emília morreu!
— Bonecas não morrem. As meninas  crescem, e guardam suas bonecas no armário. 
— Emília morreu. Quero um velório com todas as honrarias que ela merece. 
Corina entendeu que era preciso penetrar no mundo das crianças, para compreender o recado que elas mandam aos adultos nas falas e diálogos estabelecidos com as bonecas.  Era hora de guardar a boneca de Ravenala, como ela, Corina,  guardara a sua quando ficara mocinha.

***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou"
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 16/04/2018
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 51 vezesFale com o autor